Para entendermos melhor sobre lesões na coluna, vamos fazer uma série de postagens sobre o assunto. Aqui vamos abordar alguns tipos de lesões que podem resultar em paralisia: - Hernia de Disco: A doença do disco vertebral se dá pela degeneração do disco, com o deslocamento dele (a hérnia) ou não. As consequências disso é a lesão na medula e, com isso sintomas como: dor, formigamento, paralisia, paraplegia, tetraplegia e até mesmo ao óbito. Segundo a severidade da compressão da medula, a hernia discal se classifica em graus de 1 a 5. Grau 1- São compressões espinhais leves que praticamente se traduz em dor na vertebral Grau 2 - Neste caso o comprometimento é mais profundo dando como sintoma uma disfunção das sensações do cão procedente dos músculos e seus anexos que informa sobre a altura, os movimentos e o equilíbrio devido a compressão dos tratos dorsais da coluna. Grau 3 - A compressão é mais profunda ainda dos tratos motores, e por onde aparece definitivamente a plejia (perda da força muscular) ou paralisia Grau 4 - É o mesmo que a anterior, porém nestes casos além de uma alteração da funcionalidade normal de reflexo DETRUSOR ou de micção e o cão começa a reter a urina. Grau 5 - É o pior caso que se pode apresentar. Se define por adicionar todos os graus anteriores, a perda da sensibilidade dor profunda. Nestes casos o prognóstico para o paciente é mais desfavorável. Os graus 2 e 3 são freqüentemente abordados por neuro cirurgia obtendo-se muito bons resultados. - Hemivertebra: é uma malformação congênita que afeta principalmente cães braquicefálico. Ou seja, é uma falha na formação da vértebra durante o desenvolvimento do animal. Ainda não se conhece bem a causa. Na maior parte dos casos não apresentam sintomas clínicos e são achados por acaso em exames radiográficos. São mais comumente encontradas em vértebras torácicas e coccígeas. - Discopatia: Os sinais de cães que sofrem com discopatia passam desde dor intensa até dificuldade de locomoção que pode chegar a paralisia completa dos membros, incontinência urinária e fecal, redução de postura e sensibilidade, relutância para andar e rigidez do pescoço. - Extrusão de disco intervertebral: representa a primeira fase de desenvolvimento formou uma hérnia. Nesta fase, a ruptura do anel fibroso já ocorreu e núcleo pulposo já começou a ir além dela, mas ainda manteve ligamento longitudinal. Esta fase da doença é também chamado de "lumbago". Vamos olhar mais como o desenvolvimento de uma hérnia de disco e um lugar neste processo leva extrusão. - Protusão de disco (difícil paralisar): é uma das afecções mais comum em cães relacionada aos distúrbios neurológicos que envolvem a medula espinal, e é a principal causa para a investigação imagiológica da coluna vertebral na clínica de pequenos animais. O diagnóstico por imagem é a única forma de se ter conhecimento da doença, da localidade da lesão e da gravidade. - Mielopatia degenerativa: é uma doença degenerativa crônica e lentamente progressiva da medula espinhal que acomete com maior frequência cães de grande porte em idade adulta mais avançada, raramente pode ser identificada em raças miniaturas e felinos. - Neoplasia:  é uma nova (“neo”) formação (“plasia”). Ela é formada por um grupo de células que se diferencia daquelas que as deram origem. Elas têm aparência, forma, e comportamento diferentes das células normais. É mais ou menos como, por exemplo, nascer um dente na perna (não exatamente, mas serve como ilustração).  

Leiam mais sobre o assunto nos links abaixo:

PUG TIMES MAGAZINE | SEU BULDOGUE FRANCES


CONFIRA A SÉRIE COMPLETA ABAIXO
 
Share:

Leave a Comment

Your email address will not be published.

TOP